Hall da Fama Concurseiro: Giulliana Canesin, aprovada na OAB e diversos concursos

Atualmente, Giulliana atua como advogada de crédito imobiliário no Itaú e, além de ter sido aprovada no exame da OAB ainda durante a graduação, sempre prestou concursos públicos:

“O primeiro foi para a Advocacia Geral Da União, de 07/2010 a 07/2012. O segundo, foi para a Caixa Econômica Federal de 08/2012 a 12/2012. O terceiro, para a Defensoria Pública Do Estado, de 01/2013 a 08/2013. Nesse meio tempo eu havia tentando o Ministério Público Do Trabalho, mas desisti para ficar na DPE. De qualquer forma, eu não havia passado na prova por dois pontos. […] Enquanto eu estava na defensoria, eu prestei para o Ministério Público Federal e acabei passando. Porém, atuei por apenas 1 semana, já que havia saído o resultado do Banco Itaú (também para estagiar) e me chamaram para iniciar em setembro de 2013. No primeiro semestre de 2014 eu já estava concluindo a faculdade e resolvi prestar a OAB (abril) e, sendo bem sucedida, procedi para a segunda fase em junho. Com a aprovação, terminei a faculdade e foi possível dar entrada em todos os requisitos para pegar a carteira e passar a atuar como advogada.”

Ao ser questionada sobre sua rotina de estudos para se preparar para as provas, Giulliana afirma o seguinte: “[…] Toda a minha rotina prática foi aplicada às provas que eu prestava. A minha vivência diária e estudos contribuíram para que eu fosse bem sucedida nas provas. Exceto pela área trabalhista, que eu não tinha qualquer afinidade. Quanto ao restante, além da vivência, eu procurava pelas provas anteriores e passava minhas tardes respondendo, marcando em vermelho o que era errado, grifando em verde o que era certo e em amarelo as palavras chaves que remetiam a resposta correta.”

Ela afirma, ainda, que apesar da rotina intensa de estudos, ela não deixava de sair com amigos e de manter uma vida social normal. Além disso, conta que costumava carregar seu material de estudos (Vade Mecum, simulados e notebook) para onde quer que fosse.

O apoio da família também foi fundamental: “Meus pais foram muitos compreensíveis e sempre me animavam. No fundo, eles tinham medo que eu não passasse e ficasse frustrada, mas depois da terceira prova, eles diziam que eu sabia o que queria e seria bem sucedida. Só me desejam boa sorte e aguardavam (muito ansiosos) pelos resultados comigo.”

Giulliana estudou com o auxílio de um cursinho para prestar a prova da OAB, e sozinha para as demais provas. E ela aponta as vantagens e desvantagens de cada método: “O método mais desvantajoso foi tentar estudar toda a matéria num único sábado[…]. Não havia vantagens nisso. As vídeo-aulas são ótimas por estarem disponíveis a qualquer momento. Porém, exige uma autodisciplina muito grande: você tem que se programar para parar um momento e se dedicar a somente aquilo, o ambiente tem que ser calmo e silencioso[…].

Questionada sobre os motivos pelos quais acredita ter obtido êxito em suas aprovações, Giulliana diz o seguinte:

1. Determinação: se não for claro o que você quer e pretende, não tem como seguir em frente. Tudo é questão de querer e planejar.

2. Calma: muitos reprovam porque tem medo da prova e não porque não sabem fazê-la.

3. Apoio: imagina fazer tudo isso (faculdade, que eu praticamente já não ia mais, estágio, cursinho e eventos) sem que tivesse alguém me apoiando? Seria impossível. Naturalmente você precisa de um incentivo e, no meu caso, foi o apoio da minha família, somado à compreensão do meu chefe com a determinação que eu carregava. Era só por um período e logo voltaria ao normal.

4. Autodisciplina: se eu não me organizasse a ponto de ter horários e regras para os meus estudos, eu não conseguiria revisar a matéria ou me dedicar o mínimo.

5. Fé: você precisa acreditar em algo que seja muito importante pra você, e tornar aquilo realidade. Fé, não somente religiosa, mas em você mesmo. É excepcional chegar no “final” e saber que você superou tudo aquilo; e que se abrem novos caminhos e novas escolhas, ou seja, a busca e consequente satisfação nunca acabam.

E aí vai o conselho dela para você:

“Primeiro, deixe bem claro na mente o que você quer. Depois disso, o que você precisa fazer para alcançar o seu objetivo e quais as ferramentas que você terá que usar. Uma pergunta importante é: você está disposto a abrir mão do conforto momentâneo para passar por momento de alto estresse e se dedicar aquilo mais do que nunca? Se a resposta for sim, não tem como não ser bem sucedido, pois, se for aprovado, deu certo! Mas está na hora de buscar outra coisa para vencer. Se não foi, volte a aprender, mas não sobre a prova, mas sim o que fez de errado nesse caminho e tente novamente.”

Giulliana Canesin, 24

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Concurseiro.com